MALES MENORES


Pelo Espírito Emmanuel. Psicografia de Francisco Cândido Xavier.
Livro Cura. Lição nº 05. Página 21.

cura

Maldade é sempre treva no coração, que nos cabe evitar a benefício dos outros e em favor de nós mesmos.
Entretanto, nos chamados males da Terra, é indispensável discernir as lições do Senhor nos mínimos ângulos de cada dia, para que lhes percebamos a valiosa função na garantia do bem.
Observemos a natureza.
Quase sempre, a plantação é amparada pelos detritos do campo para atingir a produção desejável.
Para que o leito do rio se não desfaça, atendendo aos requisitos do charco, a dureza da pedra e a secura da areia lhe defendem a segurança.
O minério anônimo, para entrar no campo das formas, não prescinde do fogo que lhe plasma as figurações.
E o próprio pão que regala à mesa é sempre um fruto da bondade da vida, filtrado através de dilacerações incontáveis.
Aprendamos a receber os males menores que nos asseguram paz e triunfo sobre os grandes males do mundo.
Rara porcentagem das súplicas que sobem da Terra ao Céu recolhe, de retorno, a assistência precisa, na forma imediatista de alegria ou de reconforto.
Quase todas, para alcançar o objetivo a que se propõem, obtêm do Senhor os males menores por resposta providencial e oportuna.
Aqui, é uma enfermidade-socorro que te preserva o espírito contra o assalto das tentações.
Ali, é um obstáculo-benção que te impede a adesão à irresponsabilidade e à loucura.
Além, é um amor-ferramenta que te obriga ao sacrifício constante, na sublimação de ti mesmo.
Acolá, é um desencanto-auxílio, constrangendo-te ao reajuste da própria alma.
Adiante, é uma dificuldade-luz, impelindo-te à comunhão com as esferas superiores.
Abençoemos as pequenas aflições e os humildes tropeços da estrada, de vez que a luta bem vivida e o trabalho bem realizado constituem os únicos recursos de ascensão ao verdadeiro bem.
Muitas almas com os bens aparentes do mundo compram apenas desilusão e tragédia, amargura e arrependimento, enquanto que muitas outras se elevam diariamente da vida física às culminâncias da Luz, conduzidas pelos supostos males que lhes minavam a passageira existência.
Recordemos a cruz de Cristo…
Quando se ergueu, diante dos homens, era humilhação e derrota, mas, aceita com amor e renúncia, converteu-se em caminho de paz e ressurreição.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s