DIFAMAÇÕES


Difamação

 

 

 

 

Alonga os olhos e alcança os horizontes sem fim da imortalidade, embora caminhes entre espessas brumas, na jornada carnal.

Considera o impositivo da oportunidade e não te detenhas no exame dos obstáculos.

Dificuldade vencida, campo a vencer.

Tarefa começada, serviço a realizar.

As vergônteas novas e verdejantes nascem nos braços do vegetal podado, sem indagações, sem queixas…

Da terra sulcada pelas lâminas do arado surgem rebentos vigorosos, sem reclamações, sem exigências…

A água de curso interrompido transpõe a barragem, sem revolta, sem desespero…

O espírito cresce na bigorna do sofrimento, sem reações danosas, sem inquietudes.

Chamado à abençoada servidão pelos elos da mediunidade socorrista, despe a camisa do destaque social, esquece os degraus da glória efêmera, deixa o cipoal das ansiedades imediatistas e serve sem cansaço.

Mediunidade é traço de luz entre a vida vitoriosa e a vida em luta.

Mergulha o espírito nas correntes vibratórias do amor e deixa que o amor te responda aos anseios com a linguagem imperceptível da paz interior.

Agasalha a esperança no próprio seio e espalha a messe de luz da consolação alongando os braços como asas de socorro, dispondo-te à caridade pura e simples onde plasmarás a caridade para ti mesmo.

Talvez encontres entendimento e, possivelmente, não serás entendido.

Dirão alguns amigos que a mensagem espiritual a enflorescer-se em teus lábios não passa de miasmas psíquicos resultantes da exaltação da personalidade em desalinho.

Clamarão outros que os teus estudos mediúnicos não são mais do que disfunção da mente em plena rampa esquizofrênica, a caminho do manicômio.

Tuas melhores expressões serão, muitas vezes, desfiguradas do seu caráter real e teus escritos mais sinceros serão lidos com azedume como se fossem acepipes preparados em caldo de fel e vinagre.

Tua reta conduta será considerada anomalia.

Tuas atitudes receberão invectivas impiedosas.

Teu silêncio ante as ofensas parecerá a muitos covardia moral.

E tua permanência no bem, em nome do dever da consciência ligada às Esferas Superiores donde jorram as luzes que te clareiam por dentro, será tida como resultante de demência…

Esconde-te no silêncio da caridade, sela os lábios ao revide, luta contra as imperfeições interiores – algozes impenitentes que todos carregamos – e, confiante em Jesus, o Sublime Médium de Deus, que também foi difamado e vilmente assassinado, permanece fiel ao mandato do Amor, até o momento da libertação silenciosa, longe de toda dor, toda sombra e da morte, como Ele próprio, na grandeza estelar, no dia da Ressurreição triunfal.

Joanna de Ângelis
Do Livro: Lampadário Espírita
Psicografia: Divaldo P. Franco
Editora: FEB

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s